Guerra dos Mascates
Início do Portal Tuia.com.brHome Sugestões de leitura Considerações finais

Alfaiates
República de 1817
Balaiada
Backmans
Cabanada
Cabanagem
Canudos
Chibata
Guerra do Contestado
Guerra dos Emboabas
Confederação do Equador
Revolução Farroupilha
Revolução de 1924
Revolução de 1930
Revolução de 1932
Revolução de 1964
Forte de Copacabana
Guerra do Paraguai
Inconfidência Mineira
Índios: A luta de 500 anos
Intentona Comunista
Invasões holandesas
Revolta de Juazeiro
Cangaço
Guerra dos Mascates
Negros - A luta inconclusa
Revolução Praieira
Coluna Prestes
Quebra-quilos
Revolta do Malês
Revolta da Sabinada

GUERRA DOS MASCATES

A Guerra dos Mascates foi um conflito ocorrido no estado brasileiro de Pernambuco, entre 1710 e 1711.

O embate envolveu senhores de terras e de engenhos pernambucanos, concentrados em Olinda, e comerciantes portugueses do Recife — chamados pejorativamente de mascates. Dependentes econômicamente dos comerciantes, junto a quem contraíram dívidas por causa da queda internacional do preço do açúcar, os proprietários pernambucanos não aceitaram a emancipação político-administrativa da cidade do Recife (que até então era uma comarca subordinada a Olinda). A emancipação de Recife só agravaria a situação dos fazendeiros diante da burguesia lusitana, que passaria a estar em igualdade política com os devedores.

Em fevereiro de 1710, pouco depois de receber a carta régia que eleva o povoado à condição de vila, os comerciantes inauguram o Pelourinho e a Câmara Municipal, separando o Recife de Olinda, a sede da capitania. A aristocracia rural pernambucana reagiu e atacou Recife sob a liderança de Bernardo Vieira de Melo e de Leonardo Bezerra Cavalcânti. O governador Sebastião de Castro Caldas Barbosa, ligado aos mascates, fugiu para a Bahia, deixando o governo da capitania com o bispo Manuel Álvares da Costa Claumann. Mas os mascates contra-atacaram em 1711, invadindo Olinda e provocando incêndios e destruição em vilas e fazendas próximas.

A nomeação de um novo governador, Felix José de Mendonça, e a atuação de tropas mandadas da Bahia puseram fim à guerra. A burguesia mercantil recebe o apoio da metrópole, e o Recife mantém sua autonomia. Mas o sentimento autonomista e antilusitano dos pernambucanos, que vinha desde a luta contra os holandeses, continua a manifestar-se em outros conflitos, como a Conspiração dos Suassuanas, a Revolução Pernambucana de 1817 e a Confederação do Equador

Fonte: pt.wikipedia.org

Guerra dos Mascates

"NOBREZA DA TERRA" E OS MASCASTES

Os senhores de engenho consideravam o movimento que lideravam para a expulsão dos holandeses como uma Restauração - à semelhança da Restauração que devolvera a independência ao Reino português em 1640. Por essa razão, auto-denominavam-se "restauradores". A partir da segunda metade do século XVII, os senhores de engenho, descendentes desses homens, reivindicaram o estatuto de uma "nobreza da terra". A restauração tornou-se a bandeira das suas reivindicações junto à Coroa portuguesa. Isso significava distinguir, claramente, aqueles que à custa de "sangue, vidas e fazendas", enfrentaram os holandeses na luta pela restituição da capitania de Pernambuco à Coroa, dos que chegaram depois para aproveitar-se da nova situação.

Na segunda metade do século XVII, em Pernambuco, havia uma nítida disputa de poder entre os habitantes de Olinda, ricos senhores de engenho, e os moradores de Recife, comerciantes portugueses. Os senhores de engenho consideravam-se "nobres", os grandes aliados da Coroa portuguesa e, por conta disso, queriam ser tratados com distinção.

Entretanto, "com a ascensão de Dom João V ao trono português, em 1706, a Coroa abandonou sua política de benevolência para com a "nobreza da terra", tratando de cortar-lhe as asas e de aliar-se ao comércio reinól, numa reversão de alianças", segundo o historiador pernambucano Evaldo Cabral de Mello.

Não podendo mais contar com o apoio prestigioso da Coroa, os senhores de engenho de Olinda tentaram através da sua Câmara Municipal, uma ação contra os comerciantes portugueses de Recife, aos quais chamavam de forma depreciativa de mascates. Conseguiram bloquear, contra a vontade dos governadores e até mesmo contra uma decisão da Metrópole, a entrada dos recifenses na Câmara Municipal de Olinda.

Em 1710, buscando contornar a situação, o rei Dom João V elevou o povoado do Recife à condição de vila, com uma Câmara Municipal que passou a ser controlada pelos comerciantes portugueses. Deixou a de Olinda à "nobreza da terra" e aos descendentes dos restauradores. Dessa forma conseguiu esvaziar, progressivamente, o antigo poder dos vereadores olindenses. "Na segunda metade do século XVIII, a Câmara de Olinda, reduzida à gestão acanhada de uma cidade decrépita, conferia mais honra do que poder", recorda o historiador pernambucano.

Para complicar ainda mais essa disputa, no final do século XVII e início do XVIII, houve uma grande queda do preço do açúcar, e os senhores de engenho viram suas fortunas encolher. Passaram a pedir empréstimo aos comerciantes, os mascates, que lhes cobravam altos juros. Enquanto aqueles ficavam mais pobres, esses tornavam-se cada vez mais ricos, ganhando maior "status" na sociedade.

Esses dois fatores acirraram a disputa, estimulando ódios e provocações entre os dois grupos, culminando com a chamada Guerra dos Mascates, ainda em 1710. O governo português interveio na disputa para acabar com os conflitos, garantindo apoio à causa dos comerciantes portugueses. Em 1711 Recife tornou-se a capital da capitania de Pernambuco, caracterizando a decadência de Olinda e o começo do fim da época áurea dos grandes senhores de engenho do Nordeste.

Fonte: www.multirio.rj.gov.br

 














História Geral
História do Brasil
Constituições
Lutas do Povo   Revoluções
Datas Importantes
Familias dos Presidentes
Tratados 
Vídeos Históricos

História do Brasil  |  Família | Educação e Cultura   |  Esporte e Lazer  |Religião  |  Direito Brasileiro   |  Meio Ambiente  |  Músicas  | Notícias, Casos, Contos e Causos  |  Sabesp 

    Topo da Página            Início do Site

Websites [ Tuia.com.br ]                                 Bloco: Lutas Brasileiras
Faustino Emílio da Silva          Contatos: Faust@tuia.com.br.
Última atualização: sábado, 20 de novembro de 2010